O que motiva a colaboração?

A CNN agora levará seu serviço de jornalismo colaborativo iReport para o Second Life. Apesar de todo meu pessimismo quanto à segunda vida, tendo a discordar do Engrenagem, blog português que acompanho com interesse, quando coloca o jornalismo colaborativo no mesmo saco como tempero de “fracasso” —o vídeo satírico que o blog publica levanta, na verdade, uma questão que vai além da simples possibilidade de fracasso, que descarto, e põe algo que julgo central para compreender o que trará sucesso à participação: o que motiva o internauta a engajar-se no conteúdo colaborativo?

Apesar do escárnio, o vídeo é bem legal. E evidencia o perigo do “seja famoso”… o apelo de figurar em um grande meio de comunicação talvez possa ser uma boa forma de atrair colaboradores (e é utilizado em alguns sites colaborativos brasileiros, como o Terra). Mas aí continuamos no paradigma da mídia de massa —seja você mais um a noticiar “de um para muitos”… quando o objetivo do jornalismo cidadão é exatamente uma produção de muitos para muitos.

Um dos meus palpites é que o engajamento pode ser ideológico, mas também econômico —remunerar os jornalistas cidadãos por seu trabalho pode ser uma via interessante, seja qual for o modelo de remuneração. Uma boa pista dá artigo publicado por Steve Outing esta semana: “Uma importante lição sobre mídia colaborativa” fala sobre a má experiência do especialista em mídia digital com o jornalismo colaborativo como negócio.

Isso não me assusta. Seria como perder o pique com a Internet após a bolha. A questão é encontrar o modelo de negócios ideal, o lugar certo, as pessoas certas e a hora certa. Se até Jeff Bezos descobre a América por fax (leia-se: lança leitor de livros no mínimo cinco anos que empresas como a Sony e a HP e ganha capa de revista semanal nos EUA), algo como jornalismo colaborativo só pode dar certo. É questão de tempo.

Mesmo assim, a pergunta permanece: o que realmente motiva a colaboração?

Anúncios

3 comentários sobre “O que motiva a colaboração?

  1. a-há!! essa é a pergunta do milhão!! :P

    A Polly Ferrari é que se debruçou sobre essa questão, que tanto me inquieta.

    Mas além da remuneração e do “ser famoso”, eu acredito num sentimento de altruísmo, de sentir que eu faço diferença, de que a informação que eu tenho pode ser relevante para outras pessoas e eu posso ajudá-las a viver melhor.

    Além do quê, isso é mérito meu e serei reconhecida por isso.

    Mix de altruísmo com orgulho com pertença…

    Mas certamente renderia um bom caldo para uma pesquisa na antropologia :P

    Beijo!

  2. Pingback: Web 2.0, grande tabuleiro de conteúdo « Clico, logo existo

  3. Pingback: MTV desiste de TV colaborativa « Clico, logo existo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s