Design, arquitetura da informação, conteúdo, inovação

Curso de dois dias de Arquitetura de Informação. Muita teoria sobre incêndios que a gente apaga no dia-a-dia com balde, escada magirus, sopro e, na maioria das vezes, simples cobertor… em certo ponto, depois de longas explicações sobre como funcionam sitegramas e fluxogramas, o debate parou no embate (e na utilidade) de wireframes, especificações, inspiração, tolhimento de criatividade, bla bla bla…

Claro que cada um puxa a sardinha para seu próprio lado. E não posso deixar de lembrar da Web de dez anos atrás, em que muitos engenheiros e a maioria dos marketeiros ainda não apostavam. Naquela época, inovação estava muito ligada à tentativa e erro, e muito pouco associada a um processo burocrático, que muita vez só faz perder tempo e demanda uma energia que, se posta em movimento na direção da experiência do usuário (em vez da mera documentação) faria da Web coisas muito melhores que as atuais.

Claro, quando você fala em um site de comércio eletrônico, o trabalho é sério, não pode haver erro, o usuário deve se sentir seguro. Desculpe-me os engenheiros (afinal, como diz a Suzana Gutierrez, ainda sou um deles! hehehe): mas esses todos também são requisitos de um site de conteúdo, de uma rede social, de um webmail.

Em última instância, acredito que o profissional que só pense em ser “arquiteto da informação” deve tomar muito cuidado para não ser um burocrata. Porque, no dia-a-dia, quem pega o balde para apagar o fogo é o editor, o gerente de conteúdo, o designer (cujo layout muita vez sai mais rápido que 35 wireframes repetitivos de alguém que gasta uma super energia só para entender um site que quem criou já compreende de trás pra frente, e em última instância, é quem conhece melhor a experiência via feedback do usuário e quem tomará as decisões finais).

Por isso, acredito que o melhor caminho seja combinar design e arquitetura, programação e arquitetura, conteúdo e arquitetura. Ficar só de um lado é bitolar. E sair perdendo.

Anúncios

4 comentários sobre “Design, arquitetura da informação, conteúdo, inovação

  1. Olá Madureira,

    Concordo com você. Como conversamos hoje durante o break do curso, a arquitetura é importante, mas quando atrelada a outras ações, torna-se mais consistente e válida.

    Acredito que juntar, arquitetura e planejamento, arquitetura e conteúdo, no meu caso, faz com que você tenha um rumo e outras perspectivas de trabalho.

    Prazer em lhe conhecer!

    Nos vemos em outros cursos.

    Um abraço

  2. També concordo que o arquiteto deve estar ligado as outras disciplinas envolvidas em projeto e web e tentar explorar ao máximo o seu conhecimento para a ajuda de um bom projeto.

    O arquiteto precisa saber dosar todo o seu conhecimento e procurar contribuir da melhor forma possível.

  3. Pingback: O público da Internet mudou (e foi culpa do forró) « Clico, logo existo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s