Hiperlocalismo e critérios de noticiabilidade no jornalismo colaborativo brasileiro

Um dos objetivos de nosso estudo sobre jornalismo colaborativo foi compreender se as iniciativas dos grandes portais brasileiros —que apresentam significativa audiência e atratividade diante do público— conseguiram abarcar a colaboração com profundidade e abrangência semelhantes às obtidas em experiências internacionais como as estudadas por Brambilla (2005) e Bruns (2005).

Para tanto, estruturamos um estudo exploratório de campo com notícias dos sites participativos de Globo.com e Terra. A primeira etapa da análise de conteúdo empreendida pela pesquisa foi classificar as notícias de acordo com área editorial a que se filiavam. Das 165 notícias analisadas, 105 abordavam temas ligados à editoria de Cidades, em que incluímos assuntos ligados ao cotidiano, como trânsito ou registros das condições do clima. Os assuntos que mais se destacaram neste grupo foram acidentes de trânsito próximos ao local de residência dos colaboradores e estragos relacionados à temporada de chuvas do final do verão brasileiro.

Continuar lendo

Equilíbrio entre moderação e livre publicação no jornalismo colaborativo

O chamado “conteúdo do público”, ou o jornalismo colaborativo praticado nos grandes portais brasileiros obedece ao critério de apuração e checagem dos fatos, tão caro ao jornalismo? O público brasileiro já consegue exercer um “papel ativo” no processo de coleta e processamento de informações, como pregam Bowman e Willis (2003, p. 9)?

Para tentar responder a estas questões, o estudo procurou diferenciar o material publicado nos veículos colaborativos brasileiros quanto ao grau de apuração que demonstravam. Das 165 matérias avaliadas, 43% (71) foram identificadas como mero flagrante da realidade. Aqui entendemos o flagrante como um simples registro de um acontecimento em foto ou vídeo, sem informações de contextualização ou checagem de dados com fontes oficiais e/ou testemunhas, o que ocorreu em mais da metade (57%) dos casos. Neste critério de avaliação emerge uma diferença significativa entre VC Repórter e VC no G1 quando observados individualmente. No serviço do portal Terra, apenas 35% (27) das notícias foram consideradas como flagrante da realidade, contra 75% (44) do material publicado pelo site de jornalismo participativo da Globo.com.

Continuar lendo

Graus de participação do usuário no jornalismo colaborativo

Ao lado do baixo número de fontes citadas no decorrer das matérias publicadas pelos veículos colaborativos nos portais brasileiros de conteúdo, nosso estudo também procurou avaliar se havia nos textos da amostra indícios claros de que fora o próprio colaborador a contatar as fontes, o que só ocorreu em 2,4% (4) das matérias. Entre as fontes no material que analisamos, duas matérias citam amigos dos cidadãos-repórteres, uma cita testemunha que preferiu não se identificar, e outra um técnico que aparentemente foi abordado pelo colaborador no local do acontecimento.

Só 2,4% do jornalismo colaborativo dos portais brasileiros, portanto, pode ser comparado conceitualmente ao que propõem Gillmor (2004) e Bowman e Willis (2003) como jornalismo colaborativo, ao menos em seus graus mais avançados de engajamento.

O baixo comprometimento do interator, o usuário que participa do noticiário dos grandes portais brasileiros, leva-nos a acreditar que o jornalismo colaborativo ainda está em seus primeiros passos no Brasil e pouco atingiu o objetivo de democratizar a mídia, dar ao público verdadeiro poder sobre o noticiário, como apregoa Gillmor (2004, p. 137). Comparados aos níveis de participação de Bowman e Willis (2003), os dados obtidos pelo estudo indicam que o internauta brasileiro que participa dos serviços colaborativos ainda se concentra na atividade do registro flagrante, primeiro degrau de colaboração na escala do interator. A checagem dos fatos, a apuração complementar e o trabalho de edição verificado no noticiário open source ainda são objetivos a atingir.

Continuar lendo

O desafio da credibilidade e os limites do jornalismo colaborativo

Seja ele cidadão-fonte ou cidadão-repórter, o interator que participa do noticiário dos grandes portais tem outro desafio constante: o da credibilidade. Conforme os critérios do discurso jornalístico, a apuração e o cruzamento de informações entre fontes é fundamental para conferir credibilidade ao texto jornalístico:

“Toda boa reportagem exige cruzamento de informações. Esse mecanismo jornalístico consiste em, a partir de um fato transmitido por uma determinada fonte, ouvir a versão sobre o mesmo fato de outras fontes independentes. O recurso é útil tanto para comprovar a veracidade de uma notícia quanto para enriquecer a reportagem com aspectos não formulados pela fonte original.” (MANUAL DA REDAÇÃO: FOLHA DE S.PAULO, 2006, p. 26)

Continuar lendo